Galeria de Imagens de pensadoras e pensadores

Ao propor uma estratégia de ensino antirracista buscamos romper com a prática do epistemicídio hegemônico, que se realiza através da invisibilização de conhecimentos e pessoas negras e indígenas do espaço de produção do conhecimento. A imagens e fotografias sejam, desse modo, um caminho de visibilidade.

Estratégias de Ensino para Rodas de Conversa

Um dos pontos centrais da Estratégia Pluriverso consiste na possibilidade dos alunos dialogarem ativamente acerca dos temas tratados, rompendo o esquema tradicional do professor-orador-aluno-ouvinte. Rodas de conversa, quando baseadas em ricas experiências de leitura e pesquisa, são estratégias de ensino com grande potencial para desenvolver a criticidade, a capacidade do diálogo, da escuta e da construção colaborativa do conhecimento.

Estratégias de Ensino para a construção do conhecimento

A proposta da Estratégia Pluriverso se enquadra nos modelos pedagógicos de construção ativa do conhecimento por parte dos alunos e da construção de comunidades educativas engajadas e significativas. As estratégias de construção do conhecimento são propostas adaptáveis de técnicas para estimular o trabalho colaborativo.

Estratégias para tomada de decisões

A Estratégia Pluriverso foi construída de modo a valorizar a participação ativa e democrática dos alunos no processo de ensino-aprendizagem. Por isso, as estratégias a seguir são caminhos possíveis com que podemos envolver os alunos nos processos de tomada de decisão, desenvolvendo assim a autonomia e sentido de pertença no processo educativo.

Projeto 6: Ubuntu- Eu sou porque nós somos

A partir dos curta metragens “5x Favela” e da leitura do romance “Fique Comigo” de Ayọ̀bámi Adébáyọ̀, os alunos são convidados a discutir diferentes paradigmas éticos e elaborar curtas metragens inspirados na leitura e nas rodas de conversa com as temáticas éticas discutidas.

Projeto 5: Geledés- a voz das mina!

A partir do aprofundamento no gênero poético “slam” e da leitura da obra “O feminismo é para todo mundo— políticas arrebatadoras” de bell hooks, os alunos são convidados a apresentar vivências de mulheres negras e indígenas do passado e do presente e da importância da autonomia feminina negra para o salto civilizatório.

Projeto 4: Kemet- repensar a certidão de nascimento da filosofia

A partir da leitura de “O perigo de uma história única” de Chimamanda Ngozi Adichie, vamos problematizar a noção clássica da origem exclusivamente grega da filosofia e refletir a tese de que a filosofia é inerente ao pensamento humano. Os alunos serão convidados a pesquisar e tornar mais conhecidos pensadores africanos, orientais e ameríndios e suas implicações filosóficas.

Projeto 3: Afrofuturo- Projetar (se) um outro mundo possível

A partir do filme “Pantera Negra” e da leitura do primeiro volume da dualogia Brasil2408, (In) Verdades, de Lu Ain-Zala, os alunos refletirão que perspectivas de futuro podemos almejar para que possamos construir uma sociedade plural, integradora e que tenha superado o racismo. Ao mesmo tempo, os alunos podem questionar que espaços os “subalternos” de hoje terão no mundo daqui a 100 anos. A partir dessas reflexões os alunos produzirão um projeto de cidade afrofuturista a ser apresentado numa feira sobre cidades do futuro.

Projeto 2: Caçador de Mim- Mapeando nossos lugares

A partir da leitura da obra “Quarto de Despejo- diário de uma favelada” de Carolina Maria de Jesus, os alunos refletirão acerca dos seus próprios “lugares de fala” e das territorialidades que ocupam. Do mesmo modo, refletirão sobre como essas territorialidades influenciam na constituição de suas identidades sócio-políticas no interior da coletividade.